minhahistória

Foi para experimentar essa alegria mais e mais, que decidi deixar de ser educadora, depois de ter feito psicologia, pedagogia, formado muitas crianças e trabalhado como voluntária em alfabetização de adultos.

Com 38 anos e muita curiosidade, eu queria mesmo era enfrentar o mundo fashion. E segui em frente.

 

 

Foram muitos anos de aprendizado junto à marcas importantes desse mercado, a exemplo da Equilíbrio

e Maria Bonita. E em seguida, para aprimorar o meu atendimento, fiz pós-graduação em Recursos Humanos. Para ir mais fundo nos meus sonhos, fui ao berço da moda, estudar mais e aperfeiçoar o meu olhar. Durante quatro anos, passei um mês a cada ano, em Paris, aprimorando o meu francês e estudando

as grandes grifes do mercado internacional; e assim, me aproximei cada vez mais do que já havia descoberto, também como mestranda em gerontologia pela PUC de SP: nenhuma marca do mercado veste a mulher madura com desprendimento, modernidade e elegância. Tudo ainda está dentro de uma caixa:

a modelagem, as estampas, os acabamentos. É preciso superar isso, eu pensava. 

Esse conhecimento adquirido e essa trajetória me permitiram ser como me vejo agora: uma pesquisadora da forma com harmonia, uma estudiosa do corpo na maturidade, uma admiradora de designers, artesãos

e artistas rompedores que criam complementos inovadores para valorizar a mulher de qualquer idade.

Acredito na moda ageless, como as tendências apontam, mas a indústria ainda não a faz. 

 

Há cerca de 2 anos, arrisquei novamente, para chegar onde penso ser o lugar de transformar o que me incomoda. Juntamente com minha irmã, Siuza Tonarque (Duda) uma designer de joias e estilista arrojada

e visionária, resolvemos apostar numa coleção diferenciada de vestidos para mulheres insatisfeitas com

a moda, como nós. E a dudabyduda – marca da Siuza - que já nos arrebatava com seus anéis, pulseiras, brincos e colares, agora surpreende e valoriza centenas de mulheres com suas roupas ricamente desconstruídas, com seus tecidos e sobreposições únicas, com a sua ousadia. 

A proposta começou a tomar forma e nos unimos em coletivo, a várias outras mulheres artistas,

designers e artesãs que também acreditam nessa mulher insatisfeita com a mesmice, que não

consegue se ver dentro do que as vitrines mostram hoje.

E assim nasceu a Vila dos Louros. Um lugar de vestir, de entender, de enxergar o corpo feminino de várias formas e, sobretudo, com respeito e muita harmonia. Um lugar de falar, de ouvir, de se cuidar, de trocar conhecimento, de conhecer gente interessante, um espaço que vai além da roupa e dos acessórios

e penetra na cultura oferecendo pequenos eventos para aconchegar as nossas queridas convidadas. 

Gosto de dar o melhor de mim, para extrair o melhor de cada uma das nossas clientes, adoro revelar

a autoestima escondida, transformar o que se acostumou a chamar de senhora, numa mulher sem idade, bonita e segura. Adoro descobrir o estilo de cada uma dessas mulheres e com isso construir pontes

e amizades lindas, sem pensar no tempo que elas podem durar. Porque para mim, o tempo é hoje.

E é nele que estou e espero continuar vivendo intensamente a cada dia. De preferência, perto de você, que chegou até este blog, feito com carinho, coração e muita vontade de aprender e compartilhar.

 

Obrigada por estar aqui!

Prancheta 1-100.jpg